Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2017

As Happy as Sad Can Be | Underdogs Gallery

Patente na Galeria Underdogs, está a exposição "As Happy as Sad Can Be" da artista Wasted Rita, nome artístico. A depressão é aqui tema principal num mundo de falsa alegria e felicidade.  Num ambiente amplo a exposição divide-se em quatro espaços, cada um abordando um tema específico entre neons e telas.
E como é que eu descobri esta galeria num local tão escondido? Eu conto-vos a história... Numa altura em que trabalhei em Santos, ia todos os dias ao Cais do Sodré apanhar os meus transportes e passava junto ao café Underdogs: Underdogs Art Store - uma mistura de café com loja de arte. Entrei lá e gostei do que vi. Fui à net pesquisar mais e descobri que tinham também uma galeria de arte. Até aqui tudo bem, tanto que me esqueci que lá gostaria de ir. Até que, de caminho para o Parque das Nações de mota, e por causa das obras que decorrem naquela zona, é-nos indicado um desvio. E nesse desvio há uma rua cujos edíficios fui prestanto atenção e de repente vislumbrei a placa dos U…

Diário de uma TTAE #15

Conversas surreais...

#1
- Para onde vai viajar?
- "Brasiu"!
- Para que aeroporto?
- "Oi", não tô entendendo? Você tem um "sotaqui" muito esquisito!
- Qual é o seu destino?
- Oh moça, vou para Fortaleza.
- E tem tax-free para fazer?
- "Oi"? 

Opa... a sério, falar com brasileiros é a coisa mais surreal daquele aeroporto!


#2
- Bom dia! Preciso do seu passaporte.
[Silêncio]
- Hello, passport, please...
[o passageiro, vai ao bolso do casaco e tira o passaporte... brasileiro!!!]
- Fala português? - pergunto eu com a maior inocência do mundo.
- Falo, claro! Sou brasileiro!
- Então por que é que não me respondeu...?


#3
Na tentativa de não incorrer em sigilo profissional, adianto que atendi um diplomata que trabalha na respectiva embaixada cá em Portugal, que seguia para um país africano. Ao pedir-me para lhe arranjar um lugar à janela, e eu lhe digo que o consegui, atira-me beijos com as mãos e estende-me a mão para me cumprimentar.  O segurança dele que lhe carregou as mal…

[Murakami]

Estar há quase 1 ano a ler um livro de um autor que adoramos, neste caso trata-se de Murakami, torna-se algo embaraçoso especialmente para alguém que tem hábitos de leitura desde que nasceu, praticamente.  Ora, ando a ler "A Rapariga que Inventou um Sonho" desde Março. Trata-se de uma compilação de contos de o autor japonês escreveu entre 1981 e 2005 onde o insólito e o bizarro predomina.  Numa altura em que me falta apenas 1 conto para terminar o dito livro, houve um que me prendeu a atenção, especialmente devido a ideias que os personagens teorizam... Embora não seja pessoa que goste particularmente de contos, não podia deixar passar este livro do autor. 
Ora, como dizia e antes de me perder em delongas sobre o autor, destaco o conto "A pedra em forma de rim que mudava de lugar todos os dias". Se é surreal? Podem crer que sim! Mas este ficou-me na mente por uns dias enquanto não me dedicava às restantes histórias. Ora vamos lá...
"Entre as mulheres que um homem …

Receitas organizadas

É um método infalível para quem, como eu, não tem dotes culinários por aí além. E por isso surgiu agora um livro de receitas visual criado por Mikkel Jull Hvilshoj. A ver no Behance.

A propósito do Halloween

Diário de uma TTAE #14

Não é só em lojas que aparece o público mais arrogante e antipático de sempre. Nos aeroportos, há gentinha da mais reles que existe. Já me tiraram do sério umas quantas vezes. Já dei berros, já dei um murro no balcão, já saí desesperada... Mas há histórias que ficam...

#1 Ter que dar um quase-berro a um passageiro-alemão-surfista com destino a Fortaleza e dizer que não tolero faltas de respeito. E acrescentar que se ele não se acalma não o atendo e pode sair do meu balcão de check-in.  O passageiro-alemão-surfista-mal-educado percebe a sua atitude e pede desculpa. 😁
#2 Atender um velhote italiano que quer à força toda colocar a sua bagagem no tapete quando esta ainda está a rolar, dizer num  inglês rápido "stop" para que ele perceba (porque há nacionalidades difíceis: italianos, franceses e polacos não dizem uma única palavra de inglês, falam apenas a sua língua e pronto: são todos estúpidos, é a conclusão a que cheguei), e ele ficar mal-humorado e no final deitar-me a língua de…

Canetas Swarovski

Quem foi o passageiro quem é ele que deixou uma caneta com cristais Swarovski no balcão de uma certa TTAE??? Eu não sei, mas agradeço a caneta... (ganhei claramente o dia).

[Santa Cruz]

Santa Cruz é húmida. Santa Cruz tem um nevoeiro cerrado que nunca mais acaba. Santa Cruz é gelada e linda ao mesmo tempo.  Santa Cruz tem praias lindas mesmo em dias de nevoeiro. Porque mesmo em dias de nevoeiro podemos fazer valer a pena.

[Olivenza]

Olivenza para os Espanhóis, Olivença para os Portugueses... Seja como for, fui lá num pulinho jantar e dar uma volta. 
A cidade fica ali junto à fronteira e continua a ser motivo de litígio entre os dois países. Para mim, está tudo bem porque a cidade é gira, mesmo só a tendo visitado de noite, embora a minha mãe jure a pés juntos que eu já lá estive... (não me lembro nada mas ok, eu acredito).
O local vê-se num instante, tem uma praça cheia de vida e um castelo todo fofinho...




[Alqueva]

Fui ao Alqueva três vezes este ano. E está sempre igual a si mesmo. Sempre pronto a receber-me...


[Incêndios]

Depois do que aconteceu em Pedrógão Grande, não aprenderam nada, pois não?
É preciso morrer mais gente?

Apresento Zhang Weber...

Não quero falar dele. Não quero escrever sobre o quanto gostei dos seus desenhos. Não quero estender-me me frases que nada significam. Vejam e absorvam...
Drawings by Zhang Weber

[Pensamentos soltos]

Pegar numa folha em branco e escrever para vencer a letargia que toma conta de mim há várias semanas. Obrigar-me a ser útil e a fazer algo de que gosto. Deixar-me levar pelas teclas e pela sensação que me provoca. Não pensar nas frases nem em ideias concretas e deixar-me levar pela confusão de pensamentos que a minha mente me traz. Tudo isto enquanto preparo um jantar apressado porque a profissão que escolhi me obriga a deitar cedo. O relógio do micro-ondas marca as 18:14 e tenho ao lume o jantar. Almoço às 10 da manhã, deito-me o mais tardar às 21h para acordar todos os dias às 03:30. Esta é a minha rotina dos últimos quatro meses. O cansaço apodera-se do corpo e da mente. Tornamo-nos irritadiços, não apanhamos tanto sol como gostaríamos, porque a vitamina D é essencial. Afastamo-nos das pessoas porque o que mais queremos é dormir e estar no sossego e no silêncio. Não querer queixar-me daquilo que escolhi mas não ter como não o fazer quando isso me afasta do mundo real.

Diário de uma TTAE #13

Surgir um homem no teu balcão de check-in, pedir-lhe a sua identificação, olhar para o nome, reconhecer o nome, olhar para a cara do homem uns 10 segundos. Perguntar-lhe: - É você? E ele responder que sim e rir-se.
Sim, era o mais conhecido mochileiro português e simultaneamente autor de diversos livros de viagens. Trocar dois dedos de conversa e chegar à conclusão de que é muito simpático e invejá-lo. Não pelo destino para onde seguia, que já fui, mas pela maravilhosa vida de mochileiro que leva.
Obrigada Gonçalo Cadilhe pela simpatia.